quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

PRESIDENTA DILMA VANA ROUSSEFF NA TV - EDUCAÇÃO


        Presidenta DILMA VANA ROUSSEFF, em seu primeiro pronunciamento oficial na TV, reafirma  seu compromisso com a Educação.

NOVA MARCA DO GOVERNO: BRASIL: PAÍS RICO É PAÍS SEM POBREZA


. O governo Dilma Vana Rousseff passa a usar a marca PAÍS RICO É PAÍS SEM POBREZA em substituição ao antigo slogam adotado no Governo Lula: BRASIL PAÍS DE TODOS.
.           Este mais coerente com o principal objetivo da Presidenta que é a erradicação da pobreza.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

NOSSA MEDALHISTA PARA-OLIMÍPICA TEREZINHA GUILHERME: EMOCIONA-SE E EMOCIONA DILMA VANA ROUSSEFF

.               A presidenta Dilma Vana Rousseff recebe os atletas paraolimpícos inclusive medalhista Terezinha Guilherme, quando foi informada que este foi o melhor resultado feminino nas Olimpiadas em termos de resultados.
.                 Na oportunidade, a atleta tornou público o que votara na presidenta,  estava emocionada de ter uma presidente mulher e disse mais que quer "ser igual a ela quando crescer".

DILMA VANA ROUSSEFF: "AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR"!!!

Presidenta Dilma Vana Rousseff pronuncia na solenidade de anúncio de medicamentos para hipertensos e diabéticos no programa AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR!
MAIS UM COMPROMISSO DELA EM CUMPRIMENTO. 


quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

DILMA VANA ROUSSEFF NA MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO

.                 Presidenta Dilma Vana Rousseff pronuncia durante a cerimônia alusiva ao Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, em Porto Alegre/RS, quando manifestou quão lamentável foi o Holocausto nazista, que foi uma prática de trato do opositor político que precisa ser combatida, expressa ainda que a partir daí se buscou uma nova prática científica da violência contra os opositores. Um crime contra os direitos humanos, contra humanidade.
.          ... Melhor ouvir tudo o que ela disse e analisou.

sábado, 1 de janeiro de 2011

DISCURSOS DE DILMA VANA ROUSSEFF COMO PRESIDENTE

COMPROMISSO DE POSSE DE DILMA VANA ROUSSEFF

DISCURSO DE POSSE DE DILMA VANA ROUSSEFF


DISCURSO DE DILMA PARA OS POPULARES - NO PARLATÓRIO

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

DIPLOMAÇÃO DE DILMA VANA ROUSSEFF NO TSE ASSISTA NA ÍNTEGRA

. Abaixo, na íntegra a solenidade de entrega do Diploma de primeira presidente do Brasil à Dilma Vana Rousseff.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Entrevista de Dilma Vana Rousseff - na Integra - The Washington Post

Em entrevista ao jornal norteamericano The Washington Post, a presidente eleita, Dilma Rousseff, afirmou discordar da abstenção do Brasil em votação na ONU de uma resolução que condena violações de direitos humanos no Irã. “Minha posição não mudará quando eu assumir o cargo. Não concordo com a forma como o Brasil votou. Não é a minha posição”, afirmou para o diário publicado neste domingo, 5.

A resolução a que se refere foi votada e aprovada na Assembleia-Geral das Nações Unidas há duas semanas. O texto cita preocupação com casos de tortura, alta incidência de penas de morte, violência contra mulheres e perseguição a minorias étnicas e religiosas. Foram 80 votos a favor da resolução da ONU, 44 contra e 57 abstenções. Além do Brasil, se abstiveram Índia, África do Sul e Egito.

Não sou a presidente do Brasil [hoje], mas me sentiria desconfortável, como uma mulher eleita presidente, em não dizer nada contra o apedrejamento”, disse Dilma. O tema do apedrejamento está na pauta internacional desde que a iraniana Sakineh Ashtiani foi condenada à morte por supostamente ter cometido adultério. Entidades de direitos humanos dizem que ela foi forçada a confessar o suposto crime.

“Eu não concordo com práticas que tenham características medievais [no que diz respeito] às mulheres. Não há nuances. Não farei nenhuma concessão nesse assunto”, afirmou Dilma.

Na semana de sua eleição, Dilma já havia afirmado que se opunha à decisão do governo do Irã. “Eu sou radicalmente contra o apedrejamento da iraniana. Não tenho status oficial para fazer isso, mas externo que acho uma coisa muito bárbara o apedrejamento da Sakineh”.

Apesar das críticas, Dilma defendeu a atuação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na questão iraniana e disse que ele sempre atuou em prol dos direitos humanos. “Lula tem o seu próprio histórico. Ele é um presidente que advogou pelos direitos humanos, um presidente que sempre advogou pela construção da paz”.

Economia
A presidente eleita afirmou que pretende diminuir o déficit público e reduzir a relação dívida/PIB para 30% - hoje está na casa dos 42%. “Preciso racionalizar o gasto e, ao mesmo tempo, ter um crescimento do PIB que leve o país adiante”. Questionada sobre o que entende por “racionalizar os gastos”, disse: “Não temos que cortar gastos do governo. Vamos cortar despesas, mas continuar a crescer”.

Dilma comparou sua eleição à de Barack Obama. “Pode ser muito difícil eleger um presidente negro nos EUA, como foi muito difícil eleger uma mulher no Brasil”. Ela voltou a afirmar que pretende visitar Obama nos dias seguintes à sua posse e informou que o americano foi convidado informalmente a visitar o Brasil.

Leia a entrevista na íntegra e traduzida:

NO BRASIL, DE PRISIONEIRA À PRESIDENTA
Por Lally Weymouth, editora-sênior do The Washington Post, especialmente enviada à Brasília

Quatro semanas atrás, os brasileiros elegeram seu primeiro presidente do sexo feminino – Dilma Rousseff, a candidata escolhida por Luiz Incio Lula da Silva, o popular presidente do Brasil, que está de saída. Dilma Rousseff chega ao poder com um percurso incomum: ela lutou na década de 1960 contra o regime militar que então governava o país, foi presa e torturada entre 1970 e 1972. Começou na política local e entrou para o governo Lula, em 2002, como ministra de Minas e Energia, tornando-se sua chefe de gabinete. Em 02 de dezembro, em sua primeira entrevista longa desde a eleição, Dilma Rousseff falou sobre seus planos para os próximos quatro anos. Confira:

The Washington Post: Ter sido uma presa política lhe dá mais simpatia por outros presos políticos?
Dilma Rousseff: Não há dúvida sobre isso. Devido ao fato de que eu experimentei pessoalmente a situação de um preso político, eu tenho um compromisso histórico para todos aqueles que foram ou estão presos apenas porque expressa seus pontos de vista, a opinião pública, suas próprias opiniões.

TWP: Então, isso afetará sua política em relação ao Irã, por exemplo? Por que o Brasil apoia um país que permite que as pessoas sejam apedrejadas e prende jornalistas?
DR: Creio que seja necessário fazer uma diferenciação [no que queremos dizer quando nos referimos ao Irã]. Eu considero [importante], uma estratégia de construção da paz no Oriente Médio. O que vemos no Oriente Médio é a falência de uma política. Exemplo do Afeganistão e do desastre que foi a invasão do Iraque. Nós não conseguimos construir a paz, e nem conseguimos resolver os problemas do Iraque. Hoje o Iraque está em guerra civil. Todo dia, soldados de ambos os lados morrem. Tentar construir a paz e não estimular a guerra é o melhor caminho.

Mas eu não endosso o apedrejamento. Eu não concordo com as práticas que têm características medievais contra as mulheres. Não há nuances, não vou fazer quaisquer concessões a esse respeito.

TWP: O Brasil se absteve de votar sobre a recente resolução sobre os direitos humanos da ONU.
DR: Eu ainda não sou a presidenta do Brasil, mas eu me sentiria desconfortável, como uma mulher presidente eleita, em não dizer nada contra o apedrejamento. Minha posição não vai mudar quando eu tomar posse. Eu não concordo com a maneira como o Brasil votou. Não é minha posição.

TWP: Muitos norte-americanos tinham a simpatia do povo iraniano que se levantaram nas ruas. É por isso que eu quis saber se a sua posição sobre o Irã seria diferente do que seu atual presidente, que tem boas relações com o governo iraniano.
DR: O presidente Lula tem a sua própria reputação. Ele é um presidente que defendeu os direitos humanos, um presidente que sempre defendeu a construção da paz.

TWP: Como você vê a relação do Brasil com os Estados Unidos? Como você gostaria de vê-la evoluir?
DR: Considero a relação com os EUA muito importante para o Brasil. Vou tentar estreitar os laços com os EUA, eu tenho grande admiração para a eleição do presidente Obama. Eu acredito que os EUA, naquele momento, mostrou grande capacidade para mostrar que é uma grande nação, e surpreendeu o mundo. Pode ser muito difícil ser capaz de eleger um presidente negro nos os EUA, como foi muito difícil eleger uma mulher presidente do Brasil.

Eu acredito que os EUA tem uma grande contribuição a dar ao mundo. E acima de tudo, acredito que o Brasil e os EUA têm de desempenhar um papel em conjunto no mundo. Por exemplo, temos um grande potencial para trabalhar juntos na África, porque podemos construir uma parceria para disponibilizar tecnologias agrícolas, produção de biocombustíveis e ajuda humanitária em todos os campos.

Acredito também, neste momento de grande instabilidade devido à crise global, é fundamental que devemos encontrar maneiras que vão garantir a recuperação das economias dos países desenvolvidos, pois isso é fundamental para a estabilidade do mundo. Nenhum de nós no Brasil estará confortável se os EUA carrega altos índices de desemprego. A recuperação dos EUA é importante para o Brasil porque os EUA têm um mercado consumidor extraordinário. Hoje, o maior superávit comercial de os EUA está com o Brasil.

TWP: Você culpa que a flexibilização monetária [quantitative easing] por isso?
DR: A flexibilização monetária é um fato que nos preocupa muito porque isso significa uma política de desvalorização do dólar, que tem efeitos sobre o nosso comércio exterior e também na desvalorização de nossas reservas de divisas, que são em dólares. Para nós, uma política de dólar fraco não é compatível com o papel que os EUA executa, devido ao fato de que a moeda dos EUA serve como uma reserva internacional. E uma política de desvalorização sistemática do dólar pode provocar reações de proteccionismo, que nunca é uma boa política a seguir.

TWP: Quando você planeja visitar os Estados Unidos? Eu sei que você foi convidada para vir antes de sua posse, em 1º de janeiro, mas você não pode.
DR: Eu não estou aceitando todos os convites que recebo. Eu não estou visitando todos os países estrangeiros. Eu tenho que montar o meu próprio governo. Eu tenho que nomear 37 ministros. Estou planejando visitar o presidente Barack Obama no primeiro dia após minha posse, se ele puder me receber.

TWP: E você vai convidar o presidente Barack Obama para vir ao Brasil?
DR: Já convidei informalmente, durante a reunião do G-20.

TWP: Existem preocupações na comunidade empresarial dos EUA sobre se o Brasil vai continuar no caminho econômico definido pelo presidente Lula.
DR: Não há dúvida sobre isso. Por quê? Porque, para nós esta foi a grande conquista do nosso país. Não é uma conquista de uma administração única - é uma conquista do Estado brasileiro, do povo de nosso país. O fato é que conseguimos controlar a inflação, ter um regime de câmbio flexível e da consolidação orçamental, tanto que hoje estamos entre os países no mundo que tem a menor relação dívida/ PIB. Além disso, temos um déficit não é muito significativo. Eu não quero me gabar, mas nós temos um déficit de 2,2 por cento. Pretendemos, nos próximos quatro anos reduzir relação dívida/ PIB e garantir essa estabilidade inflacionária.

TWP: Você já disse publicamente que gostaria de ver as taxas de juro diminuirem. Você vai cortar o orçamento ou reduzir o aumento anual dos gastos do governo?
DR: Não há nenhuma maneira de cortar as taxas de juros, a menos que você reduza seu déficit fiscal. Nós somos muito cautelosos. Nós temos um objetivo em mente: de que nossas taxas de juros sejam convergentes com as taxas de juros internacionais. Para conseguir chegar lá, uma das questões mais importantes é a redução da dívida pública. A outra questão importante é melhorar a competitividade da nossa produção e da agricultura. Também é muito importante que o Brasil racionalize o sistema fiscal. Para abaixar as taxas de juro, você deve cortar gastos ou aumentar a economia doméstica. Não dá pra esquecer o crescimento econômico. É necessário combinar muitas coisas.

TWP: Qual é seu projeto?
DR: Meu projeto é continuar a trajetória que temos seguido até hoje. Conseguimos reduzir nossa dívida de 60 por cento para 42 por cento. Nosso objetivo é chegar a 30 por cento do nosso PIB. Eu preciso racionalizar os gastos e, ao mesmo tempo, ter um aumento do nosso produto interno bruto, que conduzirá o país avançar.

TWP: E o que você quer dizer quando diz “racionalizar gastos”?
DR: Não estamos em uma depressão aqui. Nós não temos que cortar os gastos do governo. Nós vamos cortar despesas, mas continuam a crescer. Estamos seguindo um caminho muito especial. Este é um momento em que o país está crescendo. Nós temos a estabilidade macroeconômica e, ao mesmo tempo, temos muito orgulho no fato de termos conseguido reduzir a extrema pobreza no Brasil. Nós trouxemos 36 milhões de pessoas para a classe média. Retiramos 28 milhões da pobreza extrema. E como conseguimos isso? Com políticas de transferência de renda. O “Bolsa Família” é um dos principais exemplos.

TWP: Explique como funciona o “Bolsa Família”.
DR: Nós pagamos um salário, que é uma bolsa de renda para os mais pobres. Os beneficiados ganham um cartão para retirar o valor, mas têm duas obrigações para respeitar: devem colocar seus filhos na escola e provar que eles compareceram a 80% das aulas. Ao mesmo tempo, as crianças também devem receber todas as vacinas e sempre passar por avaliação médica. Este é um fator que foi responsável, mas não é o único. Nós criamos 15 milhões de novos empregos durante a administração do presidente Lula. Só este ano já criamos 2 milhões.

TWP: Vocês está muito próxima ao presidente Lula. Você realmente vai ser diferente ou vai ser apenas uma continuação do seu antecessor?
DR: Eu acredito que o meu governo será diferente do presidente Lula. O governo do presidente Lula, o que eu fazia parte, construiu uma base a partir da qual vou avançar. Não vou repetir a sua administração, porque a situação no país hoje é muito melhor do que era em 2002. Eu tenho os programas governamentais em andamento, que eu ajudei a desenvolver, como o “Minha Casa, Minha Vida”, que é um programa de habitação.

Meus desafios são outros. Vou ter de resolver questões como a qualidade dos cuidados de saúde pública no Brasil. Vou ter que criar soluções para problemas de segurança pública. O Brasil passou por mais de 30 anos sem investir uma quantidade suficiente em infraestrutura. O governo do presidente Lula começou a mudar isso. Eu tenho que resolver as questões rodoviárias no Brasil, as ferrovias, as rodovias, os portos e aeroportos. E há uma boa notícia: descobrimos petróleo em águas profundas.

TWP: Você está sugerindo que essa descoberta irá financiar a infraestrutura?
DR: Criamos um Fundo Social que determina parte dos recursos do governo gerados pelo petróleo serão investidos em educação, saúde, ciência e tecnologia.

TWP: Você tem que preparar o país para a Copa do Mundo e as Olimpíadas.
DR: Sim, mas eu também tenho outro compromisso, que é acabar com a pobreza absoluta no Brasil. Nós ainda temos 14 milhões na pobreza. Esse é o meu grande desafio.

TWP: Todos os empresários que eu encontrei em São Paulo disseram que tinham que estar muito preparados para se encontrar com você, pois você está muito familiarizada com a maioria dos projetos.
DR: Sim, é verdade. Eu acho que é uma característica feminina. Nós apreciamos os detalhes. Os homens não.

TWP: O que significa para você ser a primeira mulher presidente do Brasil?
DR: Ainda penso que é surpreendente.

TWP: Quando você decidiu que queria ser presidenta?
DR: Esse foi um processo. Não há nenhuma data. Comecei a trabalhar com o presidente Lula, e ele começou a dar algumas indícios de que gostaria que eu concorresse à presidência, mas ele não foi claro sobre isso no começo. Foi uma grande honra para mim, mas eu não estava esperando por isso. A partir do momento que ficou claro para mim que eu seria nomeada, há dois anos, eu sabia que tínhamos criado as condições adequadas para tornar possível e ganhar as eleições. O presidente Lula teve uma excelente administração e o povo brasileiro e reconheceu isso. Somos uma administração diferente - nós ouvimos o povo.

TWP: Você recentemente enfrentou um câncer.
DR: Sim, mas eu acredito que eu consegui lidar bem com isso. As pessoas têm que saber que o câncer pode ser curado. Quanto mais cedo você descobrir, maiores são suas possibilidades de cura. É por isso que a prevenção é importante... Acredito que o Brasil estava preparado para eleger uma mulher. Por quê? Porque as mulheres brasileiras conquistaram isso. Eu não cheguei aqui sozinha, apenas pelos meus próprios méritos. Somos a maioria aqui neste país.
Do site do Dep. João Paulo Cunha
Sublinhados de HC

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

DILMA EMOCIONADA CONCLAMA OS E AS PETISTAS À UNIDADE NO ATO DE GOVERNAR COM MATURIDADE

“Numa democracia, é assim que se deve comportar: se disputa na eleição e constroi-se a unidade do país no ato de governar. Eu conto com vocês para a construção dessa unidade do Brasil" Dilma Vana Rousseff

 .               Dilma Vana Rousseff, hoje, dia 19 de novembro, esteve presente na Reunião do Diretório Nacional do PT, realizada em Brasília/DF, falou na abertura do evento. Ela se emocionou e também provocou emoção nos presentes ao fazer um agradecimento à militância petista.
.               Ela fez um retrospecto da proposta partidária de se envolver, nas próximas décadas, num "Grande projeto de construção do País que... será uma referência histórica no sentido de uma das maiores democracia do Ocidente...que terá uma justiça social... com capacidade de integrar sua população."
.               Dilma relembrou que em todas cidades em que chegava, já no aeroporto ela sempre via "primeiro uma bandeira, uma camiseta, mas, sobretudo, a solidariedade dos militantes".
.                Neste momento, emocionou-se, embargando a palavra, momento em que os dirigentes em unissonos repetiam: Partido, partido, é dos Trabalhadores"!.
.                    "É para este partido que apresento a minha gratidão e o meu reconhecimento", disse ela, ainda muito emocinada.
.                Destacou a maturidade do PT, como partido, na construção de alianças, que demonstrou maturidade, afirmando que o PT tem respeito internacional que sobre respeitar os menores países do mundo, sem autoritarismo, em vários episódios, nosso País se posicionou a favor da paz.
.              Formolou um agradecimento especial aos "Três Porquinhos" (José Eduardo Dutra, José Eduardo Cardozo e Antonio Palocci), por sua dedicação e sucesso na coordenação de sua campanha.  "Encontrei neles os companheiros de todas as horas."

.             De acordo com ela, a herança bendita do presidente Lula colocará para o novo governo um grande desafio. "As nossas conquistas não podem se repetir, sob pena de não honrarmos o nosso compromisso de transformar este país. Devemos ir em frente e aprofundar o que conquistamos", enfatizou ela.

.            Dilma também conclamou  militantes e dirigentes petistas a criar um clima de unidade nacional e reafirmou o seu desejo de governar para aqueles que apoiaram o seu nome e também para os que não apoiaram.
.             Notou que " Nós temos que criar um clima político de união e de compreensão".
.              Notou que temos maturidade, que: "Esse processo de maturidade do PT será um exemplo para história nos próximos anos, pois quando olhamos para o mundo não vemos um partido com a pujança do PT,  não vemos um partido com a tolerância  que o PT tem que demonstrar e mais com condições para demonstrar esta tolerância e construir afinidade."
.                 Ela, finalmente, esclareceu, que "Isto não despolitiza as relações do Brasil. Simplesmente coloca o fato de que NUMA DEMOCRACIA, DISPUTA-SE NAS ELEIÇÕES, SE CONSTRÓI A UNIDADE NO ATO DE GOVERNAR."
.                  Confiante, ainda afirmou que: " Eu conto com vocês para construção desta unidade do Brasil. Eu tenho certeza, pois de norte a sul, de leste a oeste, em todos recantos deste País, eu vi um partido vivo, um partido atuante."


.                      Veja abaixo, na integra, o pronunciamento de DILMA VANA ROUSSEFF:

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Dilma venceria mesmo sem o Nordeste

Dilma venceria mesmo sem o Nordeste

Não quero de modo algum minimizar a importância do voto nordestino, ao contrário. Mas é interessante ver que o peso do voto de estados como Minas Gerais e Rio de Janeiro, onde Dilma ganhou de lavada, já seria o suficiente para derrotar o candidato tucano.

Quer dizer, quem sustentar que foi o Nordeste que elegeu Dilma – afirmação que tem grande conteúdo de verdade, mas que geralmente é usada para reafirmar o velho preconceito contra o "voto do pobre" ou dos "analfabetos", já que nordestino por muitos "sulistas" é historicamente identificado com esses qualificativos – está intencional ou ingenuamente (sim, os tucanos também são enganados) ignorando a ampla votação que ela teve no Sudeste.

Veja os números do segundo turno:

Total de votos válidos: 99.462.514

Total de votos de Dilma: 55.752.092

Total de votos de Serra:
43.710.422

Votos de Dilma no Nordeste:
18.380.942
Votos de Serra no Nordeste:
7.673.776

Votos de Dilma excluindo o Nordeste:
37.371.157
Votos de Serra excluindo o Nordeste:
36.036.646

Assim, excluindo o Nordeste, Dilma venceria por 51% a 49%. Uma vitória apertada, mas ainda assim incontestável, por mais de 1 milhão de votos. Como o Nordeste existe, Dilma abriu a ampla vantagem de 12 milhões de votos.
Maria do Rosário me remeteu, reproduzo é de 

domingo, 31 de outubro de 2010

DILMA PRONUNCIA O PRIMEIRO DISCURSO APÓS CONFIRMAR SUA VITÓRIA


Minhas amigas e meus amigos de todo o Brasil,

É imensa a minha alegria de estar aqui. Recebi hoje de milhões de brasileiras e brasileiros a missão mais importante de minha vida. Este fato, para além de minha pessoa, é uma demonstração do avanço democrático do nosso país: pela primeira vez uma mulher presidirá o Brasil. Já registro portanto aqui meu primeiro compromisso após a eleição: honrar as mulheres brasileiras, para que este fato, até hoje inédito, se transforme num evento natural. E que ele possa se repetir e se ampliar nas empresas, nas instituições civis, nas entidades representativas de toda nossa sociedade.

A igualdade de oportunidades para homens e mulheres é um principio essencial da democracia. Gostaria muito que os pais e mães de meninas olhassem hoje nos olhos delas, e lhes dissessem: SIM, a mulher pode!

Minha alegria é ainda maior pelo fato de que a presença de uma mulher na presidência da República se dá pelo caminho sagrado do voto, da decisão democrática do eleitor, do exercício mais elevado da cidadania. Por isso, registro aqui outro compromisso com meu país:

Valorizar a democracia em toda sua dimensão, desde o direito de opinião e expressão até os direitos essenciais da alimentação, do emprego e da renda, da moradia digna e da paz social.
Zelarei pela mais ampla e irrestrita liberdade de imprensa.
Zelarei pela mais ampla liberdade religiosa e de culto.
Zelarei pela observação criteriosa e permanente dos direitos humanos tão claramente consagrados em nossa constituição.
Zelarei, enfim, pela nossa Constituição, dever maior da presidência da República.
Nesta longa jornada que me trouxe aqui pude falar e visitar todas as nossas regiões. O que mais me deu esperanças foi a capacidade imensa do nosso povo, de agarrar uma oportunidade, por mais singela que seja, e com ela construir um mundo melhor para sua família. É simplesmente incrível a capacidade de criar e empreender do nosso povo. Por isso, reforço aqui meu compromisso fundamental: a erradicação da miséria e a criação de oportunidades para todos os brasileiros e brasileiras.

Ressalto, entretanto, que esta ambiciosa meta não será realizada pela vontade do governo. Ela é um chamado à nação, aos empresários, às igrejas, às entidades civis, às universidades, à imprensa, aos governadores, aos prefeitos e a todas as pessoas de bem.

Não podemos descansar enquanto houver brasileiros com fome, enquanto houver famílias morando nas ruas, enquanto crianças pobres estiverem abandonadas à própria sorte. A erradicação da miséria nos próximos anos é, assim, uma meta que assumo, mas para a qual peço humildemente o apoio de todos que possam ajudar o país no trabalho de superar esse abismo que ainda nos separa de ser uma nação desenvolvida.

O Brasil é uma terra generosa e sempre devolverá em dobro cada semente que for plantada com mão amorosa e olhar para o futuro. Minha convicção de assumir a meta de erradicar a miséria vem, não de uma certeza teórica, mas da experiência viva do nosso governo, no qual uma imensa mobilidade social se realizou, tornando hoje possível um sonho que sempre pareceu impossível.

Reconheço que teremos um duro trabalho para qualificar o nosso desenvolvimento econômico. Essa nova era de prosperidade criada pela genialidade do presidente Lula e pela força do povo e de nossos empreendedores encontra seu momento de maior potencial numa época em que a economia das grandes nações se encontra abalada.

No curto prazo, não contaremos com a pujança das economias desenvolvidas para impulsionar nosso crescimento. Por isso, se tornam ainda mais importantes nossas próprias políticas, nosso próprio mercado, nossa própria poupança e nossas próprias decisões econômicas.

Longe de dizer, com isso, que pretendamos fechar o país ao mundo. Muito ao contrário, continuaremos propugnando pela ampla abertura das relações comerciais e pelo fim do protecionismo dos países ricos, que impede as nações pobres de realizar plenamente suas vocações.

Mas é preciso reconhecer que teremos grandes responsabilidades num mundo que enfrenta ainda os efeitos de uma crise financeira de grandes proporções e que se socorre de mecanismos nem sempre adequados, nem sempre equilibrados, para a retomada do crescimento.

É preciso, no plano multilateral, estabelecer regras mais claras e mais cuidadosas para a retomada dos mercados de financiamento, limitando a alavancagem e a especulação desmedida, que aumentam a volatilidade dos capitais e das moedas. Atuaremos firmemente nos fóruns internacionais com este objetivo.

Cuidaremos de nossa economia com toda responsabilidade. O povo brasileiro não aceita mais a inflação como solução irresponsável para eventuais desequilíbrios. O povo brasileiro não aceita que governos gastem acima do que seja sustentável.

Por isso, faremos todos os esforços pela melhoria da qualidade do gasto público, pela simplificação e atenuação da tributação e pela qualificação dos serviços públicos. Mas recusamos as visões de ajustes que recaem sobre os programas sociais, os serviços essenciais à população e os necessários investimentos.

Sim, buscaremos o desenvolvimento de longo prazo, a taxas elevadas, social e ambientalmente sustentáveis. Para isso zelaremos pela poupança pública.

Zelaremos pela meritocracia no funcionalismo e pela excelência do serviço público. Zelarei pelo aperfeiçoamento de todos os mecanismos que liberem a capacidade empreendedora de nosso empresariado e de nosso povo. Valorizarei o Micro Empreendedor Individual, para formalizar milhões de negócios individuais ou familiares, ampliarei os limites do Supersimples e construirei modernos mecanismos de aperfeiçoamento econômico, como fez nosso governo na construção civil, no setor elétrico, na lei de recuperação de empresas, entre outros.

As agências reguladoras terão todo respaldo para atuar com determinação e autonomia, voltadas para a promoção da inovação, da saudável concorrência e da efetividade dos setores regulados.
Apresentaremos sempre com clareza nossos planos de ação governamental. Levaremos ao debate público as grandes questões nacionais. Trataremos sempre com transparência nossas metas, nossos resultados, nossas dificuldades.

Mas acima de tudo quero reafirmar nosso compromisso com a estabilidade da economia e das regras econômicas, dos contratos firmados e das conquistas estabelecidas.

Trataremos os recursos provenientes de nossas riquezas sempre com pensamento de longo prazo. Por isso trabalharei no Congresso pela aprovação do Fundo Social do Pré-Sal. Por meio dele queremos realizar muitos de nossos objetivos sociais.

Recusaremos o gasto efêmero que deixa para as futuras gerações apenas as dívidas e a desesperança.

O Fundo Social é mecanismo de poupança de longo prazo, para apoiar as atuais e futuras gerações. Ele é o mais importante fruto do novo modelo que propusemos para a exploração do pré-sal, que reserva à Nação e ao povo a parcela mais importante dessas riquezas.

Definitivamente, não alienaremos nossas riquezas para deixar ao povo só migalhas. Me comprometi nesta campanha com a qualificação da Educação e dos Serviços de Saúde. Me comprometi também com a melhoria da segurança pública. Com o combate às drogas que infelicitam nossas famílias.

Reafirmo aqui estes compromissos. Nomearei ministros e equipes de primeira qualidade para realizar esses objetivos. Mas acompanharei pessoalmente estas áreas capitais para o desenvolvimento de nosso povo.

A visão moderna do desenvolvimento econômico é aquela que valoriza o trabalhador e sua família, o cidadão e sua comunidade, oferecendo acesso a educação e saúde de qualidade. É aquela que convive com o meio ambiente sem agredí-lo e sem criar passivos maiores que as conquistas do próprio desenvolvimento.

Não pretendo me estender aqui, neste primeiro pronunciamento ao país, mas quero registrar que todos os compromissos que assumi, perseguirei de forma dedicada e carinhosa. Disse na campanha que os mais necessitados, as crianças, os jovens, as pessoas com deficiência, o trabalhador desempregado, o idoso teriam toda minha atenção. Reafirmo aqui este compromisso.

Fui eleita com uma coligação de dez partidos e com apoio de lideranças de vários outros partidos. Vou com eles construir um governo onde a capacidade profissional, a liderança e a disposição de servir ao país será o critério fundamental.

Vou valorizar os quadros profissionais da administração pública, independente de filiação partidária.

Dirijo-me também aos partidos de oposição e aos setores da sociedade que não estiveram conosco nesta caminhada. Estendo minha mão a eles. De minha parte não haverá discriminação, privilégios ou compadrio.

A partir de minha posse serei presidenta de todos os brasileiros e brasileiras, respeitando as diferenças de opinião, de crença e de orientação política.

Nosso país precisa ainda melhorar a conduta e a qualidade da política. Quero empenhar-me, junto com todos os partidos, numa reforma política que eleve os valores republicanos, avançando em nossa jovem democracia.

Ao mesmo tempo, afirmo com clareza que valorizarei a transparência na administração pública. Não haverá compromisso com o erro, o desvio e o malfeito. Serei rígida na defesa do interesse público em todos os níveis de meu governo. Os órgãos de controle e de fiscalização trabalharão com meu respaldo, sem jamais perseguir adversários ou proteger amigos.

Deixei para o final os meus agradecimentos, pois quero destacá-los. Primeiro, ao povo que me dedicou seu apoio. Serei eternamente grata pela oportunidade única de servir ao meu país no seu mais alto posto. Prometo devolver em dobro todo o carinho recebido, em todos os lugares que passei.

Mas agradeço respeitosamente também aqueles que votaram no primeiro e no segundo turno em outros candidatos ou candidatas. Eles também fizeram valer a festa da democracia.

Agradeço as lideranças partidárias que me apoiaram e comandaram esta jornada, meus assessores, minhas equipes de trabalho e todos os que dedicaram meses inteiros a esse árduo trabalho. Agradeço a imprensa brasileira e estrangeira que aqui atua e cada um de seus profissionais pela cobertura do processo eleitoral.

Não nego a vocês que, por vezes, algumas das coisas difundidas me deixaram triste. Mas quem, como eu, lutou pela democracia e pelo direito de livre opinião arriscando a vida; quem, como eu e tantos outros que não estão mais entre nós, dedicamos toda nossa juventude ao direito de expressão, nós somos naturalmente amantes da liberdade. Por isso, não carregarei nenhum ressentimento.

Disse e repito que prefiro o barulho da imprensa livre ao silencio das ditaduras. As criticas do jornalismo livre ajudam ao pais e são essenciais aos governos democráticos, apontando erros e trazendo o necessário contraditório.

Agradeço muito especialmente ao presidente Lula. Ter a honra de seu apoio, ter o privilégio de sua convivência, ter aprendido com sua imensa sabedoria, são coisas que se guarda para a vida toda. Conviver durante todos estes anos com ele me deu a exata dimensão do governante justo e do líder apaixonado por seu pais e por sua gente. A alegria que sinto pela minha vitória se mistura com a emoção da sua despedida.

Sei que um líder como Lula nunca estará longe de seu povo e de cada um de nós. Baterei muito a sua porta e, tenho certeza, que a encontrarei sempre aberta. Sei que a distância de um cargo nada significa para um homem de tamanha grandeza e generosidade. A tarefa de sucedê-lo é difícil e desafiadora. Mas saberei honrar seu legado. Saberei consolidar e avançar sua obra.

Aprendi com ele que quando se governa pensando no interesse público e nos mais necessitados uma imensa força brota do nosso povo. Uma força que leva o país para frente e ajuda a vencer os maiores desafios.

Passada a eleição agora é hora de trabalho. Passado o debate de projetos agora é hora de união. União pela educação, união pelo desenvolvimento, união pelo país. Junto comigo foram eleitos novos governadores, deputados, senadores. Ao parabenizá-los, convido a todos, independente de cor partidária, para uma ação determinada pelo futuro de nosso país.

Sempre com a convicção de que a Nação Brasileira será exatamente do tamanho daquilo que, juntos, fizermos por ela.

Muito obrigada.

sábado, 30 de outubro de 2010

NESTE DOMINGO 31 DE OUTUBRO,. VOTE DILMA 13



E VEJA O ÚLTIMO DIA DE CAMPANHA DE DILMA PRESIDENTE


E OUÇA "DEIXA DILMA ME LEVAR", VOTE 13

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

DIA DILMA: em todo Brasil, no dia do aniversário de Lula, há MOBILIZAÇÃO DILMA 13



Eis que o grande dia se aproxima. No domingo (31), milhões de brasileir@s irão às urnas para decidir o futuro do país. Mas temos ainda alguns dias de trabalho pela frente e, por isso, somos convocados para mais uma missão.

Nesta quarta-feira (27) realizaremos o Dia Nacional de Mobilização #NaRuaComDilma. A data marca também o #LulaDay, aniversário do Presidente Lula, o mais competente e generoso governante que este país já teve.

Portanto, vamos conquistar um presente não apenas para o Lula, mas para todo o povo brasileiro! Converse com seus vizinhos, telefone para os familiares que moram longe, bata um papo com os amigos e conquiste mais votos para Dilma.

Com propostas e respeito aos nossos adversários, no dia 31 ergueremos um imenso arco de apoiadores com a cara do Brasil! Como diz a nossa futura presidenta, não esqueça: o lema é humildade 10 e provocação 0!

Chegou a hora de reunirmos o que há de melhor em cada um de nós para elegermos uma das melhores de nós! Dilma é uma mulher de fibra, que sempre defendeu os interesses do nosso país e jamais fugiu da batalha. Nós também vamos à luta!

Confira aqui a atividade #NaRuaComDilma mais próxima da sua casa:
Acre
• Ato do Movimento Sindical
• Caminhada com lideranças
• Bandeiraço
• Comício na Praça do Mercado com os Eleitos

Alagoas• 15h: Maceió:Caminhada cruz das almas concentração; praça ganga zumba

Amapá• Caminhada na capital
• Todos os dias caminhadas, panfletagens e adesivagens

Distrito Federal• 19h Ato do Servidores Públicos  no sindicato dos bancários
• 17h30 -Concentração será na Praça dos Três Poderes, rumo à Rodoviária e Rumo à Vitória. Levem suas camisetas vermelhas, bandeiras e panfletos.
• 12h Ato com Dilma pelo Desenvolvimento Social do Brasil -  Teatro dos Bancários.

Espírito Santo• Caravanas por todo o Estado

Minas Gerais• 11h - Dia Lilás - Praça Sete – BH - Ato organizado pelas mulheres petistas. Local: Praça Sete
• 10h – Dia Nacional da Mobilização: Bandeiraço, adesivaço, panfletagem. Concentração em centros comerciais e pontos estratégicos
• 12 às 13h – Aniversário do Lula – Praça Sete
• 17h – Culturata - Concentração: Praça Afonso Arinos - Cortejo cultural que seguirá até a Praça Sete
• 19h - Apresentações culturais – Praça Sete

Mato Grosso do Sul• Bandeiraços e adesivagem em diversos pontos da capital e Dourado

Mato Grosso• 16h30 Cuiabá DIA LILÁS - LOCAL: PRAÇA ULISSES GUIMARÃES; atividade das centrais sindicais na praça Ipiranga, em Cuiabá, com panfleto especifico.
• 7h atividade nas feiras
• 17h atividade nas feiras
• 8h panfletagem em cuiabá e várzea grande
• 16h30 panfletagem em cuiabá e várzea grande.
locais: bairro coophamil; -bairro beira rio; -bairro canachuê; -bairro cidade verde; -bairro barra do pari; -bairro jardim araça; -bairro santo amália; -bairro novo terceiro; -bairro santo angelita; -bairro santo izabel; - bairro chopão da gama; -bairro são benedito.

ParáBelém
• Comício Final em Belém
• manhã: bandeiraço em vários pontos da cidade.
• 16h: nossa grande caminhada culminando com o grande comicio em São Braz
• Arrastões nos 15 maiores colégios eleitorais do Estado
• Carreata
• Panfletagem
• Passeata com as lideranças

Pernambuco• Ocupação na avenida central com bandeiraço e adesivaço
• Panfletagem - Nas escolas da cidade
• Panfletagem Boa Viagem - próximo ao Edfício Acaiaca

Piauí• Teresina: Caminhada terminando no Centro.
  
ParanáCuritiba - Panfletagem Concentração –Terminal do Portão
• Concentração Vila das Torres
• 17h – Grande Caminhada Terminal do Portão
Foz do Iguaçu
• 11h - Foz do Iguaçu - Encontro de lideranças religiosas.
Campo Mourão
• 15h - Coletiva de imprensa e caminhada com a militância e lideranças regionais.

Rio de Janeiro• 17h Caminhada da Juventude na Tijuca
• Juventude com Dilma – Candelária à  Cinelândia

Rio Grande do Norte• Natal – Panfletagem na entrada da Zona Norte (Comitê dos Protagonistas do Direito) / Caminhada em Novo Horizonte Concentração: Em definição
• Parnamirim – Caminhada das Mulheres com Dilma Concentração: Ao lado do Centro Pastoral, Cohabina –
• São Gonçalo do Amarante  – Mobilizações (Comitê Sindicalistas)
• 7h30 – NATAL – Panfletagem nas prox. do Fórum Seabra Fagundes (Comitê dos Protag. do Direito)
• 8h30 – NATAL – Panfletagem nas prox. do Fórum da Justiça Federal (Comitê dos Protag. do Direito)
• 10h30 – NATAL – Panfletagem nas prox. do Fórum da Justiça Eleitoral (Comitê dos Protag. do Direito)
• 15h – NATAL – Caminhada no Alto do Juruá. Concentração: Praça em frente a igreja católica
• 18h – NATAL – Reunião da coordenação do comitê Zona Oeste/Natal. Local: Rua Rio Grande do Norte, 05, Cidade da Esperança
• 18h30 – NATAL – Reunião com representantes dos Comitês @dilmanorn13. Local: Sede do PSB - Por trás do SEBRAE (Rua: Pe. João Damasceno, 1894)
• 7h30 – NATAL – Panfletagem na entrada da Zona Norte (Comitê dos Protagonistas do Direito)
• 16h – PARNAMIRIM – Caminhada das Mulheres com Dilma. Concentração: Ao lado do Centro Pastoral, Cohabinal
• 16h – NATAL – Caminhada em Novo Horizonte. Concentração: Em definição

Rio Grande do SulPorto Alegre
• 6 às 10h – panfleteação na estação Mercado do Trensurb (resp. Bira e Gilson
• 9 às 12h e das 14 às 18h – Panfleteação Zafari Lima e Silva (resp. Carla 84991660)
• 9 às 12h e das 14 às 18h – caminhada na Vila Cristal (resp. Deivison 97054492 e Ezequiel)
• 12h – Tarso Genro Participa do “Ta na Mesa” – FEDERASULBN Local: Sede da FEDERASUL - End. Largo Visconde do Cairú, 17 – Centro
• 12 às 13h – Bandeiraço rua dos Andradas com Caldas Junior – (resp. Zeca 99886745)
• Bandeiraço. Av Loureiro da silva com Av Luis Alberto Roxo (resp. Juliano 92700460)
• 17h30 às 19h – panfleteação nos terminais de ônibus no entorno do Mercado (resp Zeca 99886745)
• 19h30 – Tarso Genro Participa da Convenção dos Pastores da Igreja Assembléia de Deus, local à definir.
São Leopoldo
• 12h - bandeiraço: Rodoviária, Rua Grande e João Correa.
• 17h - panfletagem: Trensurb e paradas de ônibus.
Erechim
• 9h às 12h: banquinha em frente padaria Planeta Pão
• 13h30 às 18h: esquina democrática – res. Eva – 99981132
• 14h: panfletagem bairro à definir – res. Rui - 96488020 Nairton – 99846216Jorge - 91936183
• 18h: panfletagem escola à definir – juventude
Santa Maria
• 17h30 – Caminhada com Tarso Genro.
Viamão
• 12h30 Caminhada, concentração no Amauri Tintas.
Alvorada
• 17h - bandeiraço: Parada 48.
Carazinho
• 18h - bandeiraço: em frente ao Comitê Av. Flores da Cunha
Osório
• 10h - panfletagem: Banrisul
• 17h - panfletagem supermercados Dalpiaz e rodoviaria
São Gabriel
• 17h - panfletagem nos bairros: concentração Comitê
• 14h: Encontro com o Pimenta no Ginásio da Escola Marques Luz e caminhada no Bairro;
• 15h: Encontro com Marco Maio na Pracinha do Independência e caminhada;
Bagé
• 14h30 caminhada nos bairros, Bonito, Pedra Branca e Santa Flora, concentração sede do PT.

Rondônia• Porto Velho - Manhã panfletagem na periferia
• Porto Velho - Tarde Ato de comemoração do Dia LILÁS

RoraimaBoa Vista - bandeiraço no centro de Boa Vista, sob a responsabilidade da secretaria de mulheres do PT
• mobilização dos artistas locais em apoio à Dilma
• No final da tarde com ato público
• 16h: Ato de comemoração do dia Lilás
• Festa dos artistas locais em apoio a Dilma/ Parabéns ao Presidente Lula

Sergipe
• Caminhada "A Primavera é Lilás". Virão representações de todos os municípios do estado.
• 6h30 Panfletagem no semáforo da Rua Itabaiana com Av. Barão de Maruim
• 6h30 Panfletagem na UFS
• 11h30 Panfletagem na UFS
• 16h Caminhada em Monte Alegre
• 18h Panfletagem na Av. Francisco Porto com Av. Beira Mar
• 18h30 Panfletagem na UFS
• 19h Carreata em Itabaiana
• 20h Carreata ou caminhada em Carmópolis
• 6h30 Panfletagem no semáforo da Rua Itabaiana com Av. Barão de Maruim (Marcio Macedo, Setoriais e Núcleo dos Petroleiros)
• 6h30 Panfletagem na UFS (Frente Universitária de Apoio a Dilma)
• 11h30 Panfletagem na UFS (Frente Universitária de Apoio a Dilma)
• 16h Caminhada em Monte Alegre (Marcio Macedo)
• 16h Grande Caminhada em Aracaju (Governador). Saída: Igreja do Espirito Santo
• 18h Panfletagem na Av. Francisco Porto com Av. Beira Mar (Setoriais e Núcleo dos Petroleiros)
• 18h30 Panfletagem na UFS (Frente Universitária de Apoio a Dilma)
• 19h Carreata em Itabaiana (Governador)
• 20h Carreata ou caminhada em Carmópolis (Marcio Macedo)

São Paulo
São Paulo - 9h Caminhada dos Sindicalistas
Concentração – Praça da Sé (sentido passeata das mulheres praça Patriarca)
• São Paulo - 10h Passeata das Mulheres “SOMOS TODAS DILMA” (presença da Ministra Nilcéa Freire e Senadora Marta Suplicy) – Concentração: Praça do Patriarca (segue para Praça da Republica
Praia Grande - 14h Caminhada e Comicio Pró-Dilma. Concentração: Praia- em frente do Habbi’s - Av. Presidente Costa e Silva. Concentração: Praça Roberto Andraus - Cidade Ocian
• 18h Comicio em Praia Grande
Praça da São Jorge – Vila Antártica
• 15h Caminhada em São Miguel – Presença Senadora Marta Suplicy. Concentração: DZ São Miguel - Rua Pedro Soares de Almeida 153

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Wagner Tiso recria para Dilma o famoso jingle de Lula

Assista  vídeo com o novo arranjo de Tiso:



SE QUISER, VER NO YOUTUBE CLIQUE NA DILMA


O CLIQUE DE DILMA LÁ. 
.         A campanha de Dilma Rousseff no segundo turno está sendo impulsionada por uma extraordinária mobilização da sociedade, como só ocorre nos grandes momentos da História. .        Manifestações espontâneas de professores, estudantes, religiosos, trabalhadores, ambientalistas, artistas e intelectuais constituíram uma gigantesca corrente pela democracia e pelo avanço das políticas de inclusão social do governo Lula.
.             “Tem um clima pra cima no ar, que lembra a campanha de Lula em 1989”, disse o compositor e maestro Wagner Tiso, um dos organizadores do ato Cultura com Dilma, que reuniu mais de dois mil profissionais das artes e da cutura no Teatro Oi-Casagrande, no Rio, em 18 de outubro.
.            Embalado pela manifestação, Wagner Tiso entrou no estúdio de gravação para recriar um dos maiores sucessos da história das campanhas eleitorais: o jingle “Sem Medo de ser Feliz”.
.            O jingle foi criado originalmente para a campanha de Lula, em 1989, pelo compositor Hilton Acioli, dono de rica trajetória na MPB. Parceiro de Geraldo Vandré nos anos 60, Hilton Acioli popularizou o slogan Lula-lá, que está na memória de toda uma geração.
.                No segundo turno de 1989, o maestro Wagner Tiso gravou um novo arranjo para o jingle, com as vozes de Chico Buarque, Gilberto Gil e Djavan. O filme da gravação foi ao ar na Rede Povo, o programa de TV da campanha de Lula. Sucesso instantâneo, que hoje é um dos vídeos políticos mais vistos no Youtube.
.               Wagner Tiso ofereceu à campanha de Dilma de um novo arranjo de “Sem Medo de Ser Feliz”. É uma celebração da alegria e da energia positiva da campanha de Dilma, nessa reta final que vai nos levar a mais uma vitória da democracia, para continuar construindo um país melhor e mais justo.

domingo, 24 de outubro de 2010

MILITANTES OCUPAM O PARQUE DA CIDADE POR DILMA E AGNELO DIA 24 DE OUTUBRO DE 2010.

Clique na seta para ver a exibição das 288 fotos.
Após o início, para ampliar clique no quadro com x abaixo direita.